quarta-feira, 3 de abril de 2013

Escritores sem vergonha


Nas últimas semanas, em uma tentativa de dar um up no meu querido blog, comecei a fazer entrevistas, comecei a me comunicar com editoras, outros blogs, sugerir parcerias e coisas desse tipo.  Nas entrevistas, em particular, sempre faço uma pergunta: O que um escritor precisa ter? E pensando aqui, na minha varanda, dia após dia, cheguei à uma conclusão.
Quando comecei a escrever o blog, há uns cinco anos, achava que escritores precisavam ser pessoas muito cultas e intelectuais. Depois de uns dois anos comecei a achar que escritores, poetas principalmente, precisavam ser muito tristes e infelizes, pois era o que funcionava para mim. Sim, foi uma época negra e bastante produtiva, mas graças aos deuses do teclado, depois de mais um ano de sofrimento contínuo e extremamente chato, passou. Depois desta fase parei de escrever, passei por uma desilusão, estava desacreditada e parei por um período de alguns meses.
Voltei no ano passado, com a crença de que o mundo iria acabar. “Já que vai acabar pelo menos deixo as minhas impressões sobre esse treco que chamam vida”. Comecei as crônicas, já em uma fase ranzinza, crítica e sarcástica. Eis que me veio uma realização: é isso que quero ser quando crescer!  Não quero ser médica, atriz e nem mesmo jornalista. Quero ser escritora. Com isso em mente, dúvidas e mais dúvidas. A maior delas sempre foi: o que um escritor realmente precisa ter para dar certo? Minha resposta é muita falta de vergonha na cara.
Não no sentido de sair fazendo mil besteiras e depois mentir como se nada tivesse acontecido, algo que é recorrente. É falta de vergonha no sentido literal da expressão. É preciso ir à luta, dia após dia, sem medo ou insegurança. É preciso meter a cara, enviar manuscritos, crônicas e poesias sem medo de receber não’s, pois eles vêm. É necessária certa exposição, pois escrever, pelo menos para mim, sempre foi me mostrar sem medo, me colocar inteira em poucas ou muitas palavras sem ter vergonha das partes mais obscuras de mim. Talvez seja isso que os novos escritores precisem: falta de vergonha na cara e um blog para postarem seus devaneios. Então, queridos amigos, falo aqui para toda a internet e que fique registrado por toda a eternidade: Sou uma escritora sem vergonha!

3 comentários:

  1. é um processo, né não? to nessa também, tô com você. abraço!

    ResponderExcluir
  2. Aliás, conheci seu blog recentemente. Aos poucos vou lendo tudo.Fiquei curiosa sobre essa sua busca, essas entrevistas, comunicação com editoras, etc. Se puder, conte pra gente. ;)

    ResponderExcluir